top of page

Programa Lideranças Virtuosas: Debate sobre o Livro:“O coração do negócio"


Hoje foi o dia de debatermos a segunda obra da nossa série de livros do Programa Lideranças Virtuosas 2023.


Como de costume, antes de começarmos a conversar, o Alexandre nos convidou para assistir a um vídeo muito especial, que, com toda a simplicidade e autenticidade, nos faz desacelerar e despreocupar. Então te convido a fazer o mesmo e dedicar dois minutinhos para assisti-lo.


Assistiu? E então? Como se sente? Melhor, não é mesmo? 😊


O livro escolhido, nas palavras de Bill George, é um farol para toda uma nova geração de líderes empresariais. Trata-se do “O Coração do Negócio: princípios de liderança para uma nova era do capitalismo”, de Hubert Joly, um executivo francês, que liderou, com sucesso, o processo de reestrutuação da Best Buy. E como ele fez isso? Transformando um grande número de pessoas descomprometidas em colaboradores comprometidos e inspirados a cuidar bem dos seus clientes. Como? Segundo Joly, tudo começa com a maneira como cada um de nós vê o trabalho e os seres humanos que o realizam.


Joly dá um “banho” de humildade ao contar, em detalhes, a sua transformação pessoal até chegar a esse “ponto” em que se encontra hoje, considerado uma verdadeira referência de liderança com propósito! Joly não teve medo de assumir, em diversos trechos do livro, as suas vulnerabilidades ao longo desse lindo processo de autoconhecimento pelo qual passou. Entre as dificuldades que Joly reconheceu estava a de receber feedbacks, a obsessão pela competitividade e a sua constante busca pela perfeição.


Para o autor, o segredo para uma vida com mais sentido e significado é encontrarmos, dentro de cada um de nós, aquilo que genuinamente nos motiva, nos inspira e, então, perseguirmos isso. Joly é o primeiro a reconhecer que isso não é uma tarefa simples, mas que vale a pena o esforço e o cuidado, para que, lá na frente, possamos olhar para trás e nos sentirmos realizados.


Isso não significa que tenhamos que ser perfeitos e que tenhamos que alcançar o nosso propósito pessoal sozinhos. Todo esse processo de autoconhecimento passa por reconhecermos, com humildade, que somos todos aprendizes, vulneráveis e que precisamos de ajuda. E será justamente a vulnerabilidade que nos aproximará e nos conectará às pessoas. Nas palavras do autor: “A vulnerabilidade é a cola que une os relacionamentos. É por meio dela que liberamos o poder do coletivo. Demonstrar vulnerabilidade exige coragem. Quando você demonstra sua vulnerabilidade em ambientes em que há respeito, as pessoas vão querer ajudar você. Não pode haver conexão humana genuína sem vulnerabilidade e não há vulnerabilidade sem imperfeição”.

Compreender isso foi libertador e a “chave” para a verdadeira transformação de Joly como líder!


Um dos objetivos do autor com esse livro foi também o de demonstrar, pelo exemplo, que organizações mais humanizadas e com propósito tem melhores desempenhos. Para isso, ao invés de enxergarmos as organizações como entidades desalmadas, precisamos percebê-las como organizações humanas, compostas por pessoas que trabalham unidas em prol de um propósito comum. E este propósito não se restringe a ganhar dinheiro, como Milton Friedman defendia no antigo e desatualizado modelo de gestão vertical, mas sim contribuir para o bem comum e servir a todas as partes interessadas (e não somente os acionistas). É o que Joly chama de “propósito nobre”, ou seja, o impacto positivo que a empresa busca causar na vida das pessoas e, por extensão, sua contribuição para o bem comum.


Para o autor, propósito e conexão humana constituem o verdadeiro coração do negócio!


Joly acredita que, quando as lideranças conseguem alinhar o propósito corporativo ao propósito de cada uma das pessoas da sua organização acontece a “mágica humana”, permitindo um desempenho extraordinário.


O autor desconstrói a ultrapassada ideia de que as pessoas são movidas puramente por incentivos financeiros, deixando claro que a abordagem da cenoura e do chicote (base da educação que recebeu nos seus tempos de faculdade) é contraproducente quando o único objetivo é o de motivar as pessoas! O papel de um sistema de incentivo deve ser o de comunicar e compartilhar os resultados da empresa, e não o de motivar as pessoas a trabalharem mais ou serem mais produtivas, criativas e inovadoras.


Assim, para o autor, há cinco ingredientes que, em conjunto, são capazes de liberar a mágica humana:

(i) Conectar sonhos: alinhamento do propósito pessoal ao propósito da empresa. Humanidade é o que liga o propósito pessoal ao coletivo. A maioria das pessoas quer fazer algo pelo outro e quando uma empresa se esforça para fazer o bem, é fácil estabelecer uma conexão entre a motivação pessoal e o propósito nobre da empresa;

(ii) Desenvolver conexões humanas autênticas: essencial para o engajamento, pois relações humanas impulsionam o comprometimento e o desempenho. Logo, ter amigos no trabalho é sim algo positivo;

(iii) Fomentar a autonomia: como elemento fundamental para gerar motivação intrínseca das pessoas e levar a um desempenho melhor;

(iv) Alcançar a excelência: o foco deve ser na excelência e no processo e não nos resultados. É isso que leva. com regularidade, aos melhores resultados;

(v) Criação de um contexto de crescimento: fomentar o mindset de expansão e o senso de possibilidades (o sentimento de que pode crescer na empresa motiva as pessoas).


A última parte do livro é especialmente dedicada à liderança. Joly começa desmistificando a ideia de líder-herói (que busca salvar a sua empresa sozinho), a ideia de que a liderança é uma habilidade inata (a pessoa não nasce líder, ela aprende a ser líder!) e a ideia de que as pessoas não conseguem mudar (o próprio Joly é uma prova viva de que mudar é sim perfeitamente possível).


Após listar diversos aprendizados que teve ao longo da sua trajetória pessoal e profissional, Joly sugere os cinco “Seja” da liderança com propósito (que você pode ver resumidamente aqui também):


(i) Seja claro quanto ao seu propósito, quanto ao propósito das pessoas à sua volta e quanto à conexão entre o seu propósito e o da empresa;

(ii) Seja claro quanto ao seu papel como líder;

(iii) Seja claro quanto a quem você serve;

(iv) Seja movido por valores;

(v) Seja autêntico: Pesquisas demonstram que somos equipados para detectar inautenticidade.

Algumas lindas citações feitas por Joly ao longo da sua obra:


O caminho mais longo a percorrer são os 45 centímetros da sua cabeça até seu coração” – Thich Nhat Hanh


Se suas ações inspiram outros a sonhar mais, aprender mais, fazer mais e se tornar mais, você é um líder.” – John Quincy Adams


Os melhores líderes não sobem até o topo, são levados até lá” – Jim Citrin


Recomendo a leitura deste livro tão inspirador que já entrou na minha lista de “top 5”!

Para ter acesso a uma espetacular resenha do livro “O Coração do Negócio: princípios de liderança para uma nova era do capitalismo”, preparada por Alexandre Di Miceli, que, inclusive, usei, como fonte de inspiração, para elaborar este breve resumo que escrevi aqui para vocês, basta adquirir o livro: “Pílulas de Liderança, volume 2” aqui.


Para se inspirar ainda mais, recomendo que assista à conversa que tivemos com ele em 2022 e também a essa entrevista de Joly!


Comments


bottom of page